domingo, 13 de fevereiro de 2011

O Misterioso Sentido


Em um dia normal qualquer, como hoje, Sr. Deus, orbitando a Terra, viu toda fuzarca que o homem aprontava no mundo, com todas suas teorias criativas e bizarras para explicar a vida. Era o caos, todos tinham a razão, e queriam provar pela lógica ou pelo fogo, não importava . Mas é claro, Deus já conhecia este velho fato, era outro dia qualquer, afinal...

Mas nesse dia qualquer Deus não agüentou mais, toda essa confusão fora divertida de observar, ele confessou, mas cansara. Decidiu que estava mais do que na hora dele dar um recado direto aos humanos, para variar. Ele encheu os pulmões divinos e gritou: “HUMANOS, PELO MEU AMOR! PAREM DE PROCURAR SENTIDO ONDE NÃO TEM! Porra!”. A terra parou, todos olharam para o céu, o som vinha de lá para todos. Mas foi só isso. No milésimo seguinte, passado o choque, os humanos começaram a tentar dar sentido àquelas palavras. Deus bateu com a palma da mão na testa.

Não se sabe o tempo que demorou, mas admirou-se tanto dessa obstinação humana, exclusiva em todo o universo, que pensou: “Não pode ser que essa gente, em todos os tempos, em todos os lugares, isolados ou não, persigam tanto uma coisa que não existe.” De repente ele teve uma dúvida, nunca tivera dúvida antes. “Será que existe?”

Então, homem e Deus se uniram pela primeira vez... Ele também começou a procurar sentido.

Queria ser teu gato





Queria ser teu gato...
Para te espreitar furtivo
na calada da noite invadir teu quarto
para, quando tu menos esperar,
pular na tua cama,
não te deixar dormir.

Queria ser teu gato...
Para ronronar ao pé do teu ouvido
lamber teu corpo ao luar
para, sem aviso, escalar teu colo
me esfregar entre tuas pernas,
te deixar meu cheiro antes de partir.

sexta-feira, 4 de fevereiro de 2011